quarta-feira, 14 de março de 2018

Grã-Bretanha expulsa 23 diplomatas russos sobre o envenenamento do ex-espião



Fonte: nytimes

LONDRES - A primeira-ministra Theresa May, da Grã-Bretanha, expulsou 23 diplomatas russos na quarta-feira sobre o envenenamento de um ex-espião russo em solo britânico, aumentando as tensões entre os dois países até um nível não visto desde as alturas da Guerra Fria. Ela prometeu reprimir os espiões russos, as elites corruptas e as riquezas mal adquiridas na Grã-Bretanha.
Sua declaração ao Parlamento veio depois que Moscou rejeitou um prazo britânico para que a Rússia se explicasse sobre o ataque deste mês contra o ex-espião Sergei V. Skripal e sua filha.
Os dois países se envolveram em um choque de piora nos últimos dias, com a Grã-Bretanha ampliando uma investigação sobre o incidente e cortejando amigos e aliados para aumentar a pressão sobre a Rússia, enquanto Moscou ameaçou retaliar sobre qualquer ação punitiva.
As estridentes observações do primeiro-ministro britânico foram uma marcada saída da norma para um líder que enfrentou uma lada de questões domésticas e internacionais. O governo da Sra. May é consumido com a retirada da Grã-Bretanha da União Européia, uma negociação complexa com a qual parece estar lutando. E seu aliado internacional mais próximo, os Estados Unidos, é liderado por um presidente que pareceu relutante em criticar abertamente a Rússia.
"Isso representa um uso ilegal da força pelo Estado russo contra o Reino Unido", disse a Sra. May em um endereço na Câmara dos Comuns. "Portanto, deve ser atendida com uma resposta completa e robusta".
Ela disse que a Grã-Bretanha suspenderia todos os contactos de alto nível com a Rússia e expulsaria 23 diplomatas russos, que receberam uma semana para sair. Ela descreveu isso como a maior expulsão em mais de 30 anos, dando conta de um período em que a Grã-Bretanha e os Estados Unidos enfrentaram a União