sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Fazendo a guerra de um porão de hotel: Rebeldes colombianos oferecem reféns e pedem palestras


Fonte: nytimes

HAVANA - Os rebeldes explodiram oleodutos e explodiram postos de polícia na Colômbia com bombas caseiras. Eles tomam estradas, fechando partes do país por dias. Eles mataram soldados em emboscadas - e mantiveram outros vivos como reféns de seu movimento de guerrilha.
Durante anos, a cadeia rebelde de comando passou por Israel Ramírez Pineda, um dos cinco líderes guerrilheiros que comandam o último grande grupo insurgente na Colômbia, o Exército de Libertação Nacional.
De um antigo porão em um hotel vazio de Havana, a uma curta distância de onde mora, Ramírez exige que o governo negocie com ele, contando os últimos prisioneiros que seu grupo rebelde confiscou: quatro soldados, três policiais e dois contratados militares.
"Um líder liberal colombiano certa vez disse há meio século: 'É melhor usar a boca do que usar a bala'", disse Ramírez ao The New York Times nesta semana em Havana, dizendo que queria conversar com o governo, em vez de tomar reféns. Ele acrescentou que os reféns poderão ser libertados nos próximos dias como um gesto de boa vontade.

Texto alt automático indisponível.