terça-feira, 17 de novembro de 2015

Bolsas dos EUA fecham sem direção



Fonte; Novo

As bolsas dos EUA fecharam sem direção clara e com os principais índices em direções divergentes nesta terça-feira, 17 - o Dow Jones e o Nasdaq em leve alta e o S&P-500 em leve baixa. O mercado operou a maior parte da sessão em alta, em reação a informes de resultados de empresas importantes, entre elas Walmart e Home Depot. Na máxima, o Dow Jones chegou a subir 116 pontos (0,67%).
 
Outro fator para a alta das ações foi o fato de a inflação ter acelerado nos EUA em outubro, o que reforçou a expectativa de que o Federal Reserve (Fed) começará a elevar as taxas de juro de curto prazo em dezembro. Entre os fatores para o recuo da tarde estavam a queda dos preços do petróleo, que foi acompanhada por baixas das ações do setor de energia, e o crescimento da preocupação com fatores geopolíticos, com o noticiário sobre uma aparente ameaça de bomba em um estádio de futebol em Hannover, onde as seleções da Alemanha e da Holanda se enfrentariam em um amistoso.
 
Nos EUA, o índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,2% em outubro, em relação ao mês anterior, após um recuo de 0,2% em setembro; o núcleo do índice, que exclui os preços de energia e alimentos, repetiu a alta de 0,2% de setembro. A renda real semanal dos assalariados cresceu 0,2% em outubro, em relação ao mês anterior; o salário médio por hora subiu 0,4%. Em comparação com outubro do ano passado, o salário médio por hora subiu 2,4% e a renda real semanal teve uma alta de 2,1%.
 
A produção industrial dos EUA teve uma contração de 0,1% en outubro, após um recuo de 0,2% em setembro. A taxa de utilização da capacidade caiu a 77,5% em outubro, de 77,7% em setembro. O índice de confiança da Associação Nacional das Construtoras de Casas (NAHB) recuou para 62 em novembro, de 65 em outubro.
 
"A grande dúvida é se os dados darão cobertura suficiente para que o Fed comece a elevar as taxas de juro em dezembro", disse o estrategista Ian Lyngen, do CRT Capital Group. Para Luke Bartholomew, da Aberdeen Asset Management, "é muito improvável que os números de hoje tirem o Fed da trajetória de elevar as taxas de juro em dezembro". Na Chicago Mercantile Exchange (CME), os contratos futuros de Fed Funds projetavam hoje à tarde uma probabilidade de 67,8% de que a taxa dos Fed Funds seja elevada para 0,50% em dezembro; pela manhã, essa probabilidade estava em 73,6%. Nesta quarta-feira, o Fed divulga a ata de sua última reunião de política monetária.
 
O dia também foi marcado por altas das bolsas europeias, lideradas pelas ações dos setores militar e de energia; a queda do euro diante do dólar beneficiou as ações de empresas exportadoras (Londres, +1,99%, Frankfurt, +2,41%). Os mercados também reagiram ao índice de sentimento sobre a economia alemã do instituto ZEW, que subiu a 10,4 em novembro, de 1,9 em outubro. Traders disseram que os ataques terroristas na França reforçaram a expectativa de que o Banco Central Europeu (BCE) amplie seu programa de estímulo à economia na reunião de dezembro.