RÁDIO MELODIA CABUGI AO VIVO

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Bolsonaro mantém aprovação de 45%, aponta pesquisa PoderData

 

Jair Bolsonaro enfrenta um cenário político ruim neste início de 2021. A pandemia entrou numa fase com mais casos e mortes. O Ministério da Saúde não conseguiu vacinas a tempo e viu o governo do Estado de São Paulo, de João Doria (PSDB), sair na frente. Na internet, adversários do governo promovem um movimento a favor do impeachment do presidente. Ainda assim, as taxas de aprovação e desaprovação do governo de Bolsonaro se mantiveram no mesmo patamar do levantamento anterior, segundo pesquisa PoderData encerrada nesta 4ª feira (20.jan.2021).

A rigor, houve até variações positivas para Bolsonaro dentro da margem de erro, que é de 2 pontos percentuais.

Há 15 dias, 52% desaprovavam o governo federal. Agora, no levantamento realizado em 18, 19 e 20 de janeiro, em 544 cidades e com 2.500 entrevistas, a taxa é de 48%.

A aprovação do governo hoje é de 45%, contra 44% há 15 dias. A oscilação também fica dentro da margem de erro.

Foto: Reprodução

O que pode explicar a manutenção das taxas de aprovação e de desaprovação do governo Bolsonaro apesar das notícias desfavoráveis ao presidente? Uma possibilidade pode ser o fato de Bolsonaro ter ficado quase em silêncio sobre vacinas desde o que em Brasília tem sido chamado de “Doria day” –o domingo (17.jan.2021), quando o tucano paulista fez grande evento para vacinar a 1ª pessoa no Brasil com a CoronaVac.

A outra possibilidade é que haja um descompasso entre o que aparece na mídia de maneira mais visível, com o noticiário quase sempre negativo, e o que pensa parte da população.

Mais pesquisas serão necessárias para aferir como será a tendência real da curva de aprovação do governo. Até porque é a partir de fevereiro que os brasileiros sentirão para valer o fim do auxílio emergencial que beneficiou cerca de 68 milhões de pessoas até o final de 2020.

Por ora, o que se nota é que a administração bolsonarista segue com um núcleo –de apoio sólido na faixa de 45% dos eleitores. E há uma parcela quase do mesmo tamanho (48%) que o rejeita.

Foto: Reprodução

DESEMPENHO PESSOAL

Quando o PoderData pergunta sobre o trabalho pessoal de Bolsonaro, há 5 categorias como opção de resposta: ótimo, bom, regular, ruim e péssimo.

Nesse cenário, a situação também é de estabilidade, mas com percentuais negativos para o presidente. Os que o rejeitam são 43%, ante 44% no estudo anterior. Já os que disseram que Bolsonaro é ótimo ou bom são 35%, mesma proporção de 15 dias antes.

Foto: Reprodução

OS 20% QUE ACHAM BOLSONARO ‘REGULAR’

No Brasil, pergunta-se aos eleitores como avaliam o trabalho do governante. As respostas podem ser: ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo. Quem considera a atuação “regular” é uma incógnita.

Para entender qual é a real opinião dessas pessoas, o PoderData faz um cruzamento das respostas desse grupo com os que aprovam ou desaprovam o governo como um todo.

Os resultados mostram que 43% desse grupo dizem aprovar o governo quando dadas apenas duas opções. Os que desaprovam são 40%.

Foto: Reprodução

Há 15 dias, muito mais pessoas do grupo “regular” disseram desaprovar do que aprovar o governo. Agora, há praticamente a mesma proporção para as duas opiniões.

Os que não souberam responder eram 1% no último levantamento. Agora, são 17%. Esses são os entrevistados sem posicionamento claro. Tendem a ir mais bruscamente de um lado para o outro quando a polarização se intensifica.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 18 a 20 de janeiro de 2021, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 544 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

Poder 360

Reunião Bastante produtiva na manhã dessa terça com representantes de diversos segmentos sociais de Lajes.

 


o prefeito Felipe, a Secretária de Saúde, Lillyane Meneses, e o Secretário de Esportes, Adeilson Fernandes, se reuniram com representantes de diversos segmentos sociais de Lajes. A reunião tinha por objetivo discutir novas medidas de prevenção ao Covid-19 e, ao fim dela, ficou definido a criação de um grupo de representantes de cada categoria profissional da cidade, para auxiliar a Prefeitura na construção de um novo decreto de combate ao vírus. Isso significa que as próximas medidas adotadas serão definidas junto aos lajenses, honrando com nosso compromisso de um governo participativo e transparente.




tabeliã do cartório único de Lajes/RN Fátima Rovane se reúne com prefeito Felipe Menezes

 


Nesta terça, também aconteceu uma reunião, no gabinete do prefeito, com a tabeliã do cartório único de Lajes, Fátima Rovane, para tratar de assuntos relacionados à energia eólica e à regularização fundiária.




Ivermectina pode reduzir risco de morte por covid em até 75%, destaca jornal britânico; pesquisadores analisaram 18 estudos

Fonte: R7 

A ivermectina, medicamento antiparasitário de baixo custo usado para tratar piolho, pulgas e carrapatos, pode reduzir o risco de morte da covid-19 em até 75%, de acordo com pesquisadores da Universidade de Liverpool, na Inglaterra. A informação foi publicada nesta quarta-feira (21) pelo jornal britânico Financial Times.

Os pesquisadores analisaram 18 estudos e concluíram que o remédio está associado à redução da inflamação provocada pela covid-19 e à eliminação mais rápida do Sars-Cov-2, o vírus que causa a doença. Em seis desses ensaios, o risco de morte foi reduzido em 75% em um grupo de pacientes com covid-19 moderada a grave.

O jornal britânico ressalta que o único antiviral com algum tipo de aprovação para tratar a covid-19 é o remdesivir. Esse medicamento, um antiviral usado no tratamento do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, quando teve a doença, demonstrou benefícios na redução da chance de internação, mas nenhum efeito na diminuição de risco de mortalidade ou de carga viral – quantidade de vírus que circula na corrente sanguínea.

A ivermectina não é um antiviral, mas os resultados sugerem que o medicamento possa ter propriedades antivirais. Os pesquisadores ressaltam que os resultados são “encorajadores”, mas mais estudos são necessários para fornecer evidências robustas para justificar uma aprovação do remédio para o tratamento da covid-19.

“É um medicamento usado no mundo todo. A substância medicamentosa custa 12 centavos. O remédio custa US$ 3 (R$15,80) na Índia e US$ 960 (R$ 5.054) nos Estados Unidos ”, afirmou Andrew Hill, um dos pesquisadores do estudo, ao Financial Times.

Ele acrescentou que a invermectina, ao reduzir a carga viral, pode tornar mais difícil uma pessoa se infectar, assim como transmitir a doença. “Se as pessoas com teste positivo para covid-19 forem tratadas imediatamente com um medicamento que elimine o vírus rapidamente, isso pode torná-las menos infecciosas”, afirmou ao jornal. “Esta estratégia de ‘tratamento como prevenção’ funciona para o HIV e agora deve ser testada para a covid-19”, concluiu.



a primeira vacinada em Lajes/RN foi a agente comunitária de saúde Paula Juciere S. Melo de Araújo.

 


Começamos a vacinação!
E a primeira vacinada em Lajes foi a agente comunitária de saúde da UBS Pedro Lopes, Paula Juciere S. Melo de Araújo.
💉 A vacina foi aplicada nesta quarta-feira (20), pela técnica da sala de vacina da rede de frios municipal, Flaviana Pimentel, com a supervisão da enfermeira Flávia de Medeiros e na presença da secretária de saúde, Lillyane Meneses.
É o começo do novo tempo que tanto aguardamos! Testemunhamos hoje mais um renascimento da esperança por dias melhores em Lajes e no mundo 🙌

Detran-RN implanta Central de Videomonitoramento de prova teórica de Habilitação

 

Fonte: BG 

O novo sistema já se encontra em pleno funcionamento e é possível acompanhar a realização das provas nas cidades que dispõem de salas de aplicação de exames no interior e na capital potiguar. Foto: Divulgação

O Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) inaugurou o funcionamento de um novo sistema de fiscalização e controle na realização das provas teóricas de Habilitação de condutores de todo o estado. A ferramenta tecnológica permite que todas as salas de provas sejam monitoradas em tempo real de uma Central de Videomonitoramento montada na sede do Detran, no bairro Cidade da Esperança, em Natal.

O novo sistema já se encontra em pleno funcionamento e é possível acompanhar a realização das provas nas cidades que dispõem de salas de aplicação de exames no interior e na capital potiguar. Unidades do Detran nos municípios de Natal, Parnamirim, Mossoró, Caicó, Pau dos Ferros, Ceará-Mirim, Nova Cruz, Santa Cruz, Parelhas, São Paulo do Potengi, entre outras, estão sendo monitoradas na Central de Videomonitoramento.

O coordenador de Habilitação de Condutores do Detran, Jonas Godeiro, explicou que o monitoramento funciona dando acesso a telas de maneira geral e também isolada, bastando que o operador selecione o comando. Ou seja, o vídeo mostra todas as salas ao mesmo tempo, mas é possível escolher qualquer unidade, ampliando dessa forma a visão detalhada de vários ângulos da sala. “É uma forma de ter mais controle, mais transparência e fiscalização do processo, sempre buscando o melhor para o usuário”, informou.

Com o novo sistema, o Detran pretende combater qualquer tipo de conduta em desacordo com as regras de aplicação do teste, ampliando a fiscalização e gerando banco de dados para possíveis averiguações. Durante o ano de 2020, o Detran aplicou 22.268 provas teóricas de habilitação de condutores.

A prova é a primeira etapa após a conclusão do curso teórico realizado pelo usuário no CFC. Os candidatos fazem a avaliação numa sala específica, onde são utilizados computadores individuais que exibem a prova de conhecimento teórico versando sobre legislação e a prática correta de conduzir veículo no trânsito. Os procedimentos de realização da prova são simples e o usuário precisa apenas utilizar o mouse para selecionar a resposta correta de cada questão.

O candidato ao clicar no botão que finaliza a prova tem os dados do resultado lançados no Registro Nacional de Carteira de Habilitação (Renach) e no site do Detran, no espaço com informações específicas do usuário. A partir do resultado positivo do provão, o aluno poderá prosseguir para as aulas práticas de volante. No caso de reprovação, o usuário pode repetir a avaliação após 15 dias, pagando a devida taxa.




Prefeito Felipe Menezes recebe a ENGIE, empresa responsável pelo Complexo Eólico Santo Agostinho

 


Ontem dia (20), o prefeito Felipe recebeu, em seu gabinete, representantes da ENGIE, empresa responsável pelo Complexo Eólico Santo Agostinho. A reunião teve como objetivo dialogar sobre possíveis parcerias.


Brasil já começou a produzir vacina Sputnik V, diz fundo russo

 

Fonte: O GLOBO 

O diretor do Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF), Kirill Dmitriev, afirmou nesta quinta-feira que a União Química, farmacêutica brasileira responsável pela produção da vacina experimental contra Covid-19 Sputnik V em solo nacional, começou a fabricar o imunizante no Brasil.

Dmitriev não precisou quando a produção da Sputnik V teve início. A União Química pretendia iniciar o processo na próxima sexta-feira em uma planta de Brasília. O diretor do fundo russo disse esperar que o pedido do uso emergencial à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) caminhe “nas próximas semanas”. No último sábado, a agência recusou um pedido submetido pelos russos e pelo laboratório brasileiro alegando que requisitos mínimos “não foram atingidos”.

A União Química previa o início da produção no último dia 15, o que não aconteceu. Na última quarta-feira, a companhia anunciou que pretendia resolver até esta quinta-feira as pendências com a reguladora brasileira. A Anvisa afirmou, no último sábado, que o pedido foi devolvido pela falta de autorização para a condução dos ensaios clínicos fase 3, a condução em andamento no país desses estudos e questões relativas às boas práticas de fabricação.

— Estamos fornecendo todas as informações que Anvisa solicita. Não tem prazo para resposta, porém dada a urgência e prioridade deste assunto, estamos num esforço forte para entregar todas as informações. Esperamos que na quinta-feira, na própria reunião com Anvisa, todas pendências sejam resolvidas— disse o diretor de negócios internacionais da União Química, Rogério Rosso, na última quarta-feira.

Na previsão da União Química, caso não seja concedido o uso emergencial da vacina, as doses produzidas em solo brasileiro serão destinados a países vizinhos que já autorizaram a vacinação com a fórmula russa, como Argentina e Bolívia.

No Brasil, dois estados já firmaram acordos com o RDIF e o Instituto Nikolay Gamaleya, laboratório responsável pelo desenvolvimento da vacina: Paraná e Bahia. O governo baiano entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para assegurar a compra direta de 50 milhões de doses do imunizante, sinalizada em um acordo assinado no ano passado.

Na última quarta-feira, o ministro do STF Ricardo Lewandowski determinou que a Anvisa preste informações sobre o pedido de avaliação do uso emergencial pelos russos para decidir sobre a solicitação da Bahia.



SINTE (Sindicato dos Trabalhadores da Educação) se reúnem com Prefeito Felipe Menezes

 


Ontem (20), realizamos nossa primeira reunião com o Representante Municipal do SINTE (Sindicato dos Trabalhadores da Educação), o professor Erinaldo Abreu, e parte de sua equipe, no gabinete da Prefeitura de Lajes. O encontro resultou em um diálogo proveitoso entre a entidade e a atual gestão, que expôs alguns pontos do plano de governo que pretendem beneficiar toda a categoria de servidores da Educação.


Empregado que não tomar vacina poderá ser demitido por justa causa, avaliam advogados; entenda em que situações

 

Trabalhadores que se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19 correm o risco de serem mandados embora por justa causa, afirmam advogados especializados em Direito do Trabalho ouvidos por esta coluna.

Com a aprovação para uso emergencial das vacinas contra a covid-19 pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no domingo (17) e início do Plano Nacional de Imunização na segunda-feira (18), que irá permitir que todos os brasileiros possam se proteger da doença nos próximos meses, a recusa em se vacinar poderá custar o emprego de quem trabalha com carteira assinada.

Por enquanto, apenas os profissionais da saúde que estão da linha de frente de combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus estão sendo imunizados, mas à medida que a vacina for sendo liberada para todos, os trabalhadores das demais áreas poderão ser cobrados pelas empresas para apresentar o comprovante de vacinação a fim de manter seus empregos.

A coluna ouviu a advogada Adriana Calvo, autora do Manual de Direito do Trabalho e membro da comissão de Direito do Trabalho da OAB/SP; a especialista em gestão de pessoas e compliance trabalhista Ana Gabriela Primon, sócia do escritório Granadeiro Guimarães Advogados e o professor do Departamento de Direito do Trabalho da USP, Antonio Rodrigues de Freitas Júnior.

Para os três advogados, a possibilidade de demissão é possível e até mesmo provável, uma vez que o STF (Supremo Tribunal Federal) julgou que, apesar de a vacinação não ser obrigatória, ela poderá implicar em punições para aqueles que se recusarem a tomar a vacina. A decisão foi tomada no julgamento das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs 6586 e 6587) e de um Recurso Extraordinário com Agravo (ARE 1267879) que tratavam da vacinação contra a covid-19 e do direito de recusar a imunização em razão de convicções pessoais.

Empresa deve garantir ambiente de trabalho saudável

“Essa é uma questão bastante complexa e envolve uma discussão constitucional”, explica a advogada Ana Gabriela. “De um lado temos a liberdade do indivíduo e o princípio da legalidade, pelo qual ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei, e, por outro, há a questão da saúde pública e o dever legal do empregador de manter um ambiente de trabalho saudável.”

“Considerando que o STF já decidiu que a recusa pode implicar em aplicação de multa, impedimento de frequentar determinados lugares ou até usar o transporte público, por exemplo, é possível a aplicação da justa causa porque nesse caso a empresa deve priorizar o interesse coletivo”, diz Ana Gabriela.

Para o professor Freitas, “o espaço do estabelecimento da empresa é de uso compartilhado e contribuir para evitar a propagação da doença por meio de práticas cientificamente recomendadas, é medida de higiene do local de trabalho pela qual cabe ao empregador zelar, fixando normas e protocolos de observância obrigatória”.

A advogada Adriana Calvo completa. “Fica claro que se o município onde estiver sediada a empresa não editar nenhuma lei dizendo que a vacina é obrigatória, então caberá ao empregador decidir se ele vai torná-la obrigatória ou não com base no seu poder diretivo. Esse poder vem do artigo 157 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), pelo qual o empregador tem o dever de zelar pela saúde e segurança no ambiente de trabalho.

“Como existe a possibilidade de o empregado que contrair covid-19 culpar a empregadora por acidente de trabalho trazendo repercussões econômicas muito grandes para a empresa, assim que a vacina estiver disponível, é provável que as empresas passem a exigir que seus empregados se imunizem.”

E os trabalhadores que estiverem em home office?

Já para o trabalhador que está em home office, ou seja, trabalha da sua casa e não comparece à empresa, os advogados entendem que, nesse caso, a empresa não pode obrigar a pessoa a se vacinar.

“Se o empregado trabalha em home office e não retornou à atividade presencial, não haveria nenhum fundamento para que o empregador exigisse a vacina desse empregado. O empregado está na sua casa, não traz nenhum risco para a empresa, é direito dele decidir se quer ser vacinado ou não”, diz Adriana Calvo.

Quem pode se negar a tomar a vacina e não ser demitido?

O professor Freitas entende que qualquer empregado pode ser demitido por justa causa, desde que fique demonstrado que há uma recusa infundada em tomar a vacina. Mas aqueles que tiverem uma recusa fundamentada não poderão ser obrigados. “Por exemplo: gestantes não podem ainda se submeter à vacina e portando podem se recusar. Por outro lado, a vacina também tem que estar disponível na localidade em número tal que sua aplicação seja possível”, diz.

O empregado que apresente também um atestado médico demonstrando que possui determinada condição de saúde que não permite se vacinar também não poderá ser obrigado, explica a advogada Adriana Calvo.

Mas basta não tomar a vacina para já ser mandado embora por justa causa?

Não é bem assim. Como a demissão por justa causa é uma punição que prejudica bastante o trabalhador, ela precisa ser aplicada de maneira proporcional à gravidade da falta, explica a Ana Gabriela. A sugestão da advogada é que a empresa faça uma gradação das penalidades.

“Primeiro, a empresa deveria aplicar uma advertência, em seguida, poderia aplicar uma suspensão do contrato de trabalho e, por fim, caso ainda houvesse a resistência do trabalhador, a demissão por justa causa.”

A advogada Adriana Calvo concorda que não deve haver uma justa causa imediata. “O ideal é primeiro dar uma advertência e um prazo de 30 dias para o empregado se vacinar e, caso ele não o fizer, então aplicar a justa causa.”

Tudo isso lembrando que a vacinação já tem de estar disponível para todos, pois já ficou decidido que as empresas não poderão comprar vacinas para imunizar seus empregados.

Ainda não há prazo para que a vacina esteja disponível para todos os brasileiros no Plano Nacional de Imunização.

O QUE É QUE EU FAÇO SOPHIA – R7




terça-feira, 19 de janeiro de 2021

prefeito Felipe Menezes também participou do "MCom no RN"

 


o prefeito Felipe Menezes também participou do "MCom no RN": um evento do Ministério de Comunicações do Governo Federal, que reuniu 76 prefeitos potiguares. Nele, o ministro Fábio Faria apresentou as novas políticas públicas em telecomunicações e radiodifusão, como a expansão do alcance da internet gratuita para a zona rural do estado.





Abastecimento de água será suspenso em nove cidades do RN Lajes/RN é uma delas


 

Fonte: BG

As cidades de Angicos, Fernando Pedroza, Pedro Avelino, Lajes, Pedra Preta, Caiçara do Rio do Vento, Jardim de Angicos e Riachuelo terão o abastecimento suspenso das 8h às 12h desta terça-feira (19) para instalação de de um novo conjunto motobomba na Estação de Bombeamento da Adutora Sertão Central, que fica às margens da BR-304, próximo a cidade de Itajá, informa a Caern. A ação também afetará o abastecimento nas comunidades de Cachoeira do Sapo e Mulungu.

Após a religação do sistema, são necessárias mais 12 horas para regularizar o abastecimento.

Na quarta-feira (20) é a vez de Alto do Rodrigues, que terá o fornecimento de água suspenso, das 8h às 18h para manutenção conjunto motobomba da Estação de Tratamento de Água ( ETA) da cidade.

A previsão é de normalização do abastecimento em 48 horas após a religação do sistema.



segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Prefeito Felipe Menezes teve encontro com ministro Rogério Marinho e o deputado Gustavo Carvalho

 


A semana começou com encontros importantes para a cidade de Lajes. Hoje (segunda, 18), o prefeito Felipe se reuniu com o ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e o deputado Gustavo Carvalho, para tratar de assuntos do interesse do município, visando seu crescimento e potencialização.

#prefeituradelajes #governandoparatodos




PF vai escoltar vacinas e polícias locais farão segurança na distribuição

 

Fonte: UOL

O Ministério da Justiça divulgou neste domingo detalhes sobre a segurança que será adotada na distribuição das vacinas contra a covid-19 em todo o Brasil. A Polícia Federal atuará na escolta das vacinas e na segurança dos espaços federais de armazenamento. Nos Estados, as doses serão entregues às políticas locais, que ficarão responsáveis pela distribuição.

Na tarde deste domingo, 17, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial no País de duas vacinas: a Coronavac e a Oxford/Astrazeneca. Os imunizantes são de responsabilidade do Instituto Butantan e da Fiocruz, respectivamente.

Conforme o Ministério da Saúde, unidades da Coronavac – que já estão disponíveis – começarão a ser entregues aos Estados nesta segunda-feira (18). A previsão é de que, na quarta-feira (20), os Estados já tenham distribuído as cargas aos municípios, que poderão começar a aplicar as vacinas na população.

Este processo de distribuição será acompanhado pelas forças de segurança pública federais e estaduais. “A Polícia Federal (PF) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) vão coordenar a segurança do processo de distribuição, logística e armazenamento da carga com os imunizantes em âmbito nacional. Nos Estados, as vacinas serão entregues às polícias locais, que ficarão responsáveis pela segurança na distribuição”, informou o Ministério da Justiça por meio de nota.

No âmbito federal, a PF utilizará grupos táticos para escoltar as vacinas e será responsável pela segurança dos espaços federais de armazenamento. “Já a Polícia Rodoviária Federal, com emprego de seus motociclistas batedores, suporte aerotático e equipes especializadas realizará a escolta das vacinas para os locais de armazenamento e distribuição dos Estados”, registrou o ministério. “A Polícia Rodoviária Federal também poderá ser acionada pelos Estados para garantir a segurança na distribuição interna, ação de responsabilidade exclusiva das unidades federativas.”



sábado, 16 de janeiro de 2021

DIVIDA MILIONÁRIA DEIXADA PELA GESTÃO PASSADA: FALTA DE RESPESPEITO PARA COM CIDADÃO LAJENSE

 


Em live que está sendo realizada agora  na página do face do prefeito Felipe Menezes foi relatado o descaso e a falta de vergonha na gestão passada em deixar uma dívida MONSTRUOSA para os munícipes.
são muitas as situações adversas dividas e mais dividas como conta de água  atrasada conta de telefone atrasado carros com motor quebrados, postos de saúde desabastecidos de remédios e por ai vai. ao termino da transmissão vamos colocar um resumo sobre o desabafo do prefeito Felipe Menezes.



   



sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Pela primeira vez em Lajes/RN Secretaria de Educação oferece Minicurso de Gestão Escolar, para a entrega dos certificados.

 


Na tarde de hoje (15), o prefeito Felipe Menezes esteve na presença dos profissionais que cursaram o Minicurso de Gestão Escolar, para a entrega dos certificados. Foi a primeira vez em Lajes que a Secretaria de Educação ofereceu essa orientação para as equipes de direção e coordenação das escolas municipais, ajudando-os a iniciar os preparativos para o novo ano letivo da melhor forma possível, unindo propósito e eficiência.





SACANAGEM: FOTO: Polícia apreende 33 cilindros de oxigênio escondidos em caminhão em Manaus

 

Fonte: UOL

Em meio à crise no sistema de saúde do Amazonas, com a falta de leitos e de oxigênio para doentes com covid-19, as polícias Civil e Militar apreenderam 33 cilindros de oxigênio que estavam escondidos em um caminhão, no bairro Alvorada, na zona centro-oeste de Manaus, na tarde de ontem. Uma denúncia anônima informou sobre a movimentação estranha no caminhão, que estava parado no local, e cilindros estavam sendo retirados para veículos particulares.

O condutor do veículo, de 38 anos, foi preso por reter produtos para o fim de especulação, segundo informou a SSP-AM (Secretaria de Segurança Pública do Amazonas). O nome dele e o da transportadora não foram divulgados. O homem ficará preso à disposição da Justiça.

De acordo com dados do governo do Amazonas, o estado enfrenta problemas com a falta de oxigênio devido à alta demanda de internações de doentes com covid-19 que necessitam de auxílio de cilindros de oxigênio para respirar. “Entre os meses de março e maio, houve um consumo máximo 30 mil metros cúbicos/dia. Hoje, são mais de 76 mil, um acréscimo de 150%”, informou.

A SSP-AM afirmou que, dos 33 cilindros apreendidos, 26 estavam carregados com oxigênio. Durante interrogatório, segundo a secretaria, o homem disse que tem uma empresa de comercialização de cilindros de oxigênio, mas “ficou com medo que a população invadisse o estabelecimento em busca do material e decidiu tirá-lo do local”. Ele contou também que os cilindros haviam sido envasados na quarta-feira (13).

“Os materiais apreendidos foram encaminhados na noite de hoje para unidades hospitalares de Manaus”, informou o delegado Bruno Fraga, diretor do Departamento de Polícia do Interior.

Na noite de ontem, policiais civis transportaram os cilindros de oxigênio apreendidos para quatro unidades de saúde da rede estadual. Onze foram levados ao Hospital Beneficente Português. Seis foram para a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas, seis para o SPA (Serviço de Pronto Atendimento) do São Raimundo e três para o SPA do Coroado.

Escolta

Dois carros da Polícia Militar, com oito policiais militares das Rocam (Rondas Ostensivas Cândido Mariano), fizeram a escolta de 150 cilindros de oxigênio que chegaram pelo Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus, para serem usados no tratamento de pacientes com covid-19. Oitenta cilindros seguirão para unidades hospitalares localizadas no interior do estado.

O material chegou na tarde de ontem e foi levado para a CEMA (Central de Medicamentos do Amazonas), localizada no bairro Praça 14, na zona sul de Manaus. Os 150 cilindros pertencem à empresa White Martins.