sábado, 8 de abril de 2017

Estocolmo é alvo de ataque


Parte do centro de Estocolmo foi isolada em decorrência do incidente (Getty Images/AFP/O. Andersen)

Fonte: Dw 

Pelo menos quatro pessoas morreram e 15 ficaram feridas nesta sexta-feira (07/04) depois de um caminhão ter avançado contra pedestres numa movimentada rua comercial no centro de Estocolmo. O incidente está sendo investigado pelas autoridades suecas como um atentado terrorista.
Nenhuma organização terrorista reivindicou autoria do ataque, que apresenta os mesmos padrões dos atropelamentos em massa realizados em Nice, Berlim e, mais recentemente, em Londres. Horas após o atentado, a polícia ainda buscava o responsável.
"A Suécia foi atacada", declarou o primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven, em pronunciamento à imprensa durante a tarde. "Tudo indica que se trata de um ataque terrorista."
O ataque ocorreu por volta das 15h no horário local. Após avançar contra a multidão, o veículo se chocou contra uma filial do centro comercial Åhléns – parte de uma das maiores redes de lojas de departamento do país – na esquina com a rua Drottninggatan, importante via de pedestres da cidade.
Parte do centro da capital foi isolado, e a estação ferroviária central, que fica próxima, foi evacuada. Serviços de transporte foram interrompidos em decorrência do ataque. Todos os trens que partiriam ou chegariam à estação central nesta sexta-feira foram cancelados, informou a companhia estatal SJ.
Infografik Sweden Drottninggatan Stockholm Karte POR
Testemunhas relataram momentos de pânico. "Estávamos numa loja quando ouvimos um barulho, e as pessoas começaram a gritar", disse Jan Granroth ao jornal sueco Aftonbladet. "Eu estava na rua principal quando um grande caminhão apareceu do nada. Não pude ver se tinha alguém dirigindo, mas o veículo ficou fora de controle. Vi pelo menos duas pessoas serem atropeladas. Corri o mais rápido que pude dali", descreveu outra testemunha, identificada como Dimitris, ao mesmo veículo.
A polícia afirmou que um homem foi preso em conexão com o ataque, mas não acredita que se trate do motorista do caminhão. Mais cedo, as autoridades haviam divulgado imagens de um possível suspeito capturadas por câmeras de segurança nas proximidades do local do incidente. Elas mostram um homem vestindo uma jaqueta militar de cor verde e um capuz escuro.
A cervejaria sueca Spendrups, proprietária do caminhão, afirmou que o veículo havia sido roubado no início desta sexta-feira. "É um de nossos veículos de entrega. Durante uma entrega num restaurante chamado Caliente alguém subiu na cabine e levou o caminhão embora enquanto o motorista descarregava", afirmou o porta-voz da empresa, Marten Luth, à agência de notícias sueca TT.
O ataque em Estocolmo seguiu uma série de massacres semelhantes na Europa, usando um veículo como arma. O mais sangrento deles ocorreu em julho do ano passado em Nice, no sul da França, onde um caminhão avançou contra uma multidão matando mais de 80 pessoas.
Líderes internacionais reagem
Em passagem pelo Brasil, o rei da Suécia, Carl 16 Gustaf, lamentou o incidente em comunicado. "Eu e toda a família real recebemos com pesar as informações sobre o ataque desta tarde em Estocolmo. Os motivos e a extensão do incidente ainda não são conhecidos. Estamos acompanhando os desenvolvimentos, mas nossos pensamentos estão agora com as vítimas e suas famílias."
Schweden Stockholm LKW fährt in Menschenmenge (picture-alliance/AP Photo/TT News Agency/A. Wiklund)
Várias entidades e líderes internacionais também prestaram suas condolências. A União Europeia (UE) ofereceu apoio e solidariedade ao governo sueco. "Um ataque a qualquer de nossos Estados-membros é um ataque contra todos nós", disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. "Permanecemos lado a lado em solidariedade com o povo sueco", afirmou.
O porta-voz da chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, expressou os sentimentos do governo em Berlim, alvo de um ataque semelhante em dezembro passado, quando um caminhão avançou contra um mercado de natal e matou 12 pessoas. "Nossos pensamentos estão com as pessoas em Estocolmo, os feridos, os familiares, as equipes de resgate e a polícia", disse Steffen Seibert.
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou em telegrama enviado ao rei sueco que, "neste momento difícil, os russos estão em luto junto com a população da Suécia". "Em nosso país, as pessoas sabem, e não por rumores, sobre as atrocidades do terrorismo internacional", afirmou. Na última segunda-feira, um ataque no metrô de São Petersburgo deixou 14 mortos e dezenas de feridos.
Anne Hidalgo, prefeita de Paris – também alvo de sangrentos ataques nos últimos anos –, expressou em comunicado sua "forte emoção" a respeito "desse ataque terrorista de imensa covardia". Ela informou que, a partir da meia-noite no horário local, a icônica Torre Eiffel ficará às escuras em homenagem às vítimas do atentado.
O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou o "ataque violento" e expressou condolências às famílias das vítimas, afirmando que a ONU está solidária com a Suécia. "Esperamos que os responsáveis pelo ataque sejam rapidamente levados à Justiça", disse em comunicado.
A imagem pode conter: 1 pessoa, texto e close-up