quinta-feira, 25 de maio de 2017

Reino Unido investiga suposta rede por trás de atentado


Policias na Inglaterra

Fonte: Dw

A polícia britânica confirmou nesta nesta quarta-feira (24/05) estar investigando uma rede suspeita de estar por trás do ataque suicida que deixou 22 mortos e 64 feridos na saída de um show da cantora americana Ariana Grande, em Manchester.
"Acho que está muito claro que estamos investigando uma rede", disse o chefe de polícia de Manchester, Ian Hopkins. As operações de busca em Manchester continuam, afirmou.  
O ataque, ocorrido na noite desta segunda-feira, foi executado por Salman Abedi, de 22 anos. A ministra do Interior, Amber Rudd, já havia dito ser provável que Abedi não tenha agido sozinho e que ele era conhecido das autoridades de segurança. 
Um homem de 23 anos preso na terça-feira por suposta conexão com o ataque em Chorlton, no sul de Manchester, é irmão de Abedi e se chama Ismael. Nesta quarta-feira, a polícia informou que mais quatro homens e uma mulher foram presos nos arredores da cidade britânica sob suspeita de ligação com o atentado. Um outro homem foi detido na cidade de Nuneaton, no centro da Inglaterra. Essa foi a primeira detenção no país que não ocorreu nos arredores de Manchester. Além dos sete suspeitos, Hashem Abedi, outro irmão do homem-bomba, foi detido em Trípoli, na Líbia, também nesta quarta.
Autoridades antiterrorismos da Líbia afirmaram Hashem Abedi tem ligação com o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI). "O irmão [de Salman] estava ciente de todos os detalhes do atentado terrorista", destacaram as autoridades num comunicado.
O pai de Salman, Ramadan Abedi, também foi detido em Trípoli nesta quarta-feira para ser interrogado.
Frank Gardner, jornalista especialista em segurança da emissora britânica BBC, divulgou informações de que o homem-bomba teria sido apenas uma "mula", ou seja, ele teria vestido explosivos construídos por outra pessoa.
Abedi nasceu em Manchester e tinha origem líbia. Seus pais seriam refugiados que fugiram do regime de Muammar Kadafi, segundo relatos da imprensa britânica. Ele teria ao menos três irmãos. O jovem de 22 anos vivia em Manchester numa das duas residências que foram alvo de uma operação policial nesta terça-feira.